Os turcos que chegaram ao 5.º lugar do ranking dos vistos concedidos, apesar dos problemas relacionados com a emissão de “Vistos Gold”.

Segundo a APEMIP – Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal, desde a criação do programa de Autorização de Residência para Actividades de Investimento (ARI), foram concedidas 6159 autorizações, das quais 5816 por via do requisito da aquisição de bens imóveis. Mas o mês de abril inscreveu um número total de apenas “109 vistos concedidos, registando-se uma quebra de 37% face ao mês anterior”, o que não surpreende Luís Lima, Presidente da APEMIP.

“Estes números vão, uma vez mais, de encontro aos alertas que tenho feito sobre este programa. Infelizmente, a tendência de quebra manter-se-á, pois a grande maioria destes números correspondem à emissão de vistos estavam pendentes há muito. É difícil monitorizar estes dados, por não corresponderem aos resultados reais do programa. No entanto, ressalvo a sua importância que se traduz nos valores que apresenta: desde a sua criação que o País já recebeu investimentos de mais de 3,7 mil milhões de euros”, declara o representante das empresas de mediação imobiliárias.

“Este mecanismo continua a ser fabuloso – adianta o dirigente associativo – , e é importante para nós que se mantenha, mas a funcionar adequadamente. Há nacionalidades que começam a descobrir o nosso País e a olhar para nós como boa alternativa de investimento, como é o caso dos Turcos, que começam agora a surgir no TOP 5 dos cidadãos que mais compram ao abrigo deste programa” diz.

Em termos de investimento total, desde a sua criação os Vistos Gold já trouxeram para o país mais de 3,7 mil milhões de euros, sendo que a aquisição de bens imóveis supera já os 3,4 mil milhões de euros o que confirma a importância deste Regime na captação de investimento.

Os Chineses mantêm-se no topo da lista dos cidadãos que mais investem neste programa, com um total de 3805 vistos concedidos, seguindo-se o Brasil com 538, a África do Sul com 243, a Rússia com 215 e a Turquia com 202, tendo ultrapassado há já alguns meses o Líbano.