Em Março, a taxa de juro implícita no conjunto dos contratos de crédito à habitação fixou-se em 1,025%, mais 0,2 pontos base (p.b.) em realação ao mês anterior.

De acordo com o Instituto Nacional de Estatística – INE, nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro foi 1,562% no mês em análise, traduzindo uma redução de 4,0 p.b..

Para o destino de financiamento Aquisição de Habitação, o mais relevante no conjunto do crédito à habitação, a taxa de juro implícita para o total dos contratos foi 1,047%, 0,2 p.b. superior ao observado no mês anterior.

Nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro para este destino de financiamento passou de 1,598% em Fevereiro para 1,556% em Março.

Relativamete ao valor médio da prestação vencida manteve-se idêntico ao do mês precedente (239 euros). Nos contratos celebrados nos últimos 3 meses, o valor médio da prestação foi 324 euros em Março (319 euros em Fevereiro).

O INE avança ainda que em Março o capital médio em dívida para a totalidade dos contratos aumentou 44 euros face ao mês anterior, fixandose em 51 770 euros.

Para os contratos celebrados nos últimos três meses, o montante médio do capital em dívida subiu de 94 782 em Fevereiro para 96 297 euros.