Em Fevereiro, a taxa de juro implícita no conjunto dos contratos de crédito à habitação recuou 0,1 pontos base, para 1,023%, face a Janeiro.

Segundo o Instituto Nacional de Estatística – INE, no mês em análise a prestação média vencida desceu um euro face ao mês anterior, fixando-se em 239 euros, e o capital médio em dívida para a totalidade dos contratos de crédito à habitação diminuiu dois euros, para 51.726 euros.

Relativamente aos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro foi 1,602%, traduzindo uma subida de 0,7 pontos base em relação a Janeiro, tendo o valor médio da prestação sido de 319 euros (307 euros no mês precedente) e o montante médio do capital em dívida subido de 94.049 euros para 94.782 euros.

Quanto ao destino de financiamento aquisição de habitação, “o mais relevante no conjunto do crédito à habitação”, a taxa de juro implícita para o total dos contratos foi 1,045%, igual à do mês anterior.

Já nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro para este destino de financiamento passou de 1,588% em Janeiro para 1,598% no mês seguinte.