Seis meses é o tempo médio para encontrar uma casa que se possa pagar seja para compra ou arrendamento.

Segundo  um estudo realizado por nós, Imovirtual, junto de 2.000 indivíduos residentes em Portugal que compraram ou arrendaram casa nos últimos dois anos ou com intenção de o fazer no próximo ano, a família é a principal motivação na compra de habitação.

Os resultados mostram que durante o processo há um grande empenho na procura de casa, sendo que 71% dos arrendatários e 64% dos compradores procuram por casa pelo menos cinco vezes por semana. Os portais agregadores de anúncios de casas são a fonte de pesquisa mais utilizada tanto para compradores (64%) como para arrendatários (47%), seguidos das agências imobiliárias (compradores 56%, arrendatários 44%) e motores de busca (compradores 54%, arrendatários 64%), sendo esta última a opção mais utilizada para quem pretende alugar casa.

Para a compra de casa, a principal motivação para o fazer é a ‘família’ (30%), sendo ‘investimento’ a segunda razão (19%), seguido de ‘mudar de casa’ (14%), ‘mudar para uma casa maior’ (15%) e ‘deixar de pagar renda’ (9%).

As maiores dificuldades encontradas, além do preço, encontrar uma casa que corresponda às necessidades surge como a segunda maior, para 25% de futuros arrendatários e 22% de futuros compradores.  Quanto às restantes, ‘Comparar oportunidades’ (8% futuros arrendatários, 8% futuros compradores), ‘fazer uma oferta’ (8% futuros arrendatários, 8% futuros compradores) e ‘agendar uma visita’ (5% futuros arrendatários, 4% futuros compradores), são os principais factores onde quem procura casa sente uma maior necessidade de ajuda.

O estudo refere ainda que “75% de quem está à procura de uma casa para arrendar procura um apartamento, enquanto apenas 17% procura uma moradia. Quando a intenção é para comprar, 52% procura uma moradia, enquanto 40% dos futuros compradores procuram por um apartamento. Já o principal critério é sem dúvida a ‘localização’ (relevante para cerca de 75% de quem procura casa), seguida pela ‘faixa de preço’ (50%) e número de quartos (40%)”.

Os compradores que adquiriram uma casa nos últimos dois anos compraram num prédio antigo em boas condições (38%) ou num prédio novo (28%), enquanto futuros compradores (pretende comprar uma propriedade no próximo ano) estão à procura em novos edifícios (40%) seguidos por edifícios mais antigos em boas condições (25%).