O primeiro projecto, situado nas proximidades do Martim Moniz, no âmbito do Programa de Renda Acessível (“Lisboa Pra Todos”) vai arrancar. Serão 106 dos 131 apartamentos disseminados por 16 prédios camarários que vão ser reabilitados e promovidos pela Brightempathy, Lda, empresa ganhadora do concurso, de tipologias T0, T1 e T2, terão valores de rendas entre os 100 e os 350 euros. A empresa tem um prazo máximo de 36 meses para projectar e construir as novas habitações, num investimento que ascenderá a 12 milhões de euros.

As 106 fracções com renda acessível serão sorteadas pela CML por quem se tenha inscrito, cumprindo a condição essencial de ter um rendimento ilíquido que se situe entre 7500 euros e os 40 mil euros por ano.

Além destes fogos com rendas acessíveis, e da ocupação com comércio de 12% da área de construção, a operação da Rua de São Lázaro – que se divide entre as freguesias de Santa Maria Maior e Arroios – prevê ainda que sejam colocadas à venda a preços de mercado 21 apartamentos.

Este programa pretende atrair os investidores privados para a sua execução, numa relação que se prevê perdure por 30 anos.

O Programa Renda Acessível  irá construir 6.400 habitações com renda acessível, de um total de 9 mil apartamentos construídos e reabilitados e distribuídas por 107 edifícios, em 15 localizações espalhadas pela capital. Ao todo, serão 778 milhões euros de investimento privado, divididos pela dezena e meia de concessões- que incluem operações de construção ou reabilitação oscilando entre os 3 milhões de euros e os 300 milhões de euros.