O preço das habitações transaccionadas registou um decréscimo pelo segundo trimestre consecutivo, no entanto mantém a subida em relação ao mesmo período de 2017.

De acordo com o INE – Instituto Nacional de Estatística, no terceiro trimestre de 2018, o Índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu 8,5% em termos homólogos, mas 2,7 pontos percentuais (p.p.) abaixo do observado no trimestre anterior. Este foi o segundo trimestre consecutivo em que se registou uma desaceleração dos preços das habitações transaccionadas.

No período em análise, as habitações existentes registaram uma taxa de variação superior à observada nas habitações novas, 9,2% e 5,7%, respectivamente. Em relação ao trimestre anterior, o IPHab aumentou 1,0% (2,3% no segundo trimestre de 2018). As duas categorias de habitações registaram taxas de variação semelhantes, 1,1% no caso das habitações novas e 0,9% nas habitações existentes.

Entre Julho e Setembro de 2018 transaccionaram-se 45 935 habitações, mais 18,4% que em idêntico período do ano anterior e um acréscimo de 0,7% por comparação com o trimestre precedente. As transacções realizadas totalizaram 6,3 mil milhões de euros, mais 29,1% do que o registado no terceiro trimestre de 2017, tendo 5,1 mil milhões de euros correspondido a transações de habitações existentes e 1,2 mil milhões de euros a habitações novas. No período em análise, o valor total apurado representou um aumento de 29,1% em termos homólogos e de 1,4% por comparação com o trimestre anterior.

O número de transacções entre o segundo e o terceiro trimestre de 2018 manteve-se praticamente inalterado, tendo-se observado um crescimento de 0,7% (variação de 12,0% no trimestre anterior). Neste período, as habitações existentes registaram uma taxa de variação de 0,3%, tendo as habitações novas apresentado um acréscimo de 3,1%.

A região Norte, pelo segundo trimestre consecutivo, apresentou mais de 13 000 transacções, enquanto o Centro, pela primeira vez, ultrapassou o limiar das 8 000 vendas. No Alentejo transaccionaram-se 2 762 habitações, mais 83 do que o anterior máximo observado no trimestre anterior.

Face ao período homólogo, a Área Metropolitana de Lisboa com um total de 16 188 vendas (35,2% do total nacional), em conjunto com o Alentejo, foram as únicas a apresentar um acréscimo nas respectivas quotas relativas regionais, 1,4 p.p. e 0,4 p.p..

Entre Julho e Setembro de 2018, a Área Metropolitana de Lisboa concentrou 49,6% do valor total das habitações transaccionadas, o que representa um novo máximo da série e um aumento de 2,1 p.p. na quota relativa face ao mesmo trimestre do ano transacto. Nesta região foi igualmente observado um novo valor máximo trimestral das transacções realizadas, mais de 3,1 mil milhões de euros. Situação idêntica observou-se no Norte com um total de 1,4 mil milhões de euros e no Alentejo, onde os alojamentos vendidos atingiram 236 milhões de euros.

No terceiro trimestre de 2018, o Alentejo e a Área Metropolitana de Lisboa foram as únicas regiões a evidenciar um crescimento homólogo no número e no valor das transacções acima da média nacional.

Veja mais notícias do mercado imobiliário aqui.
Encontre a casa dos seus sonhos no Imovirtual.