A cidade de Lisboa figura entre as cidades mundiais com mais interesse para investir , segundo o Relatório Anual Global da IP revela os pontos de investimento imobiliário em 2018.

O 2018 Global Real Estate Outlook Report (GREO Report) fornece informações sobre a viabilidade, o desempenho e o potencial futuro das cidades em todo o mundo, o que ajuda os investidores imobiliários a escolher os seus futuros locais de investimento imobiliário.

Para este ano, a capital portuguesa é uma das cidades com mais potencial: “Os investidores também estão actualmente a explorar Lisboa, uma vez que a economia portuguesa se expandiu significativamente em 2017. A recente introdução das políticas governamentais, incluindo o Programa de Vistos Gold, o Regime Tributário para residentes não habituais e a Nova Lei de Arrendamento, desempenharam um papel importante no fortalecimento da realidade da cidade no mercado imobiliário. Em 2017, os preços das casas aumentaram mais de 19%, e o crescimento do capital na cidade atinge uma taxa impressionante de 63% entre 2012 e 2017”, lê-se no relatório.

Ainda segundo o relatório, a consultora JLL prevê  que o mercado residencial em Lisboa gerará uma maior valorização do capital de 19,2% e o crescimento no arrendamento de 27,3% em relação a 2018-2022. “Devido a esta perspectiva económica positiva, Lisboa está a tornar-se uma escolha de primeira linha para os investidores”, escreve.

O director e chefe do Oriente Médio no IP Global, Richard Bradstock, referiu ainda que, “ao longo dos anos, vimos que, historicamente, os investidores do Oriente Médio preferiram comprar imóveis em Londres. No entanto, em 2017, testemunhámos uma mudança de comportamento, já que muitos investidores estão interessados em comprar propriedades mais acessíveis em cidades do norte, como Manchester, Liverpool e Leeds, que oferecem altos rendimentos no arrendamento e os preços de casas crescem. A nível internacional, com o lançamento de startups e centros tecnológicos, cidades do centro europeu, como Berlim, Frankfurt e Lisboa, tornaram-se atractivos para investimentos devido ao seu forte crescimento de capital e à sua boa performance económica”.