A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) está em negociações com a Câmara de Lisboa para disponibilizar cerca de 300 casas para o programa de renda acessível, anunciou o provedor, Edmundo Martinho.

Durante a apresentação dos resultados das contas da instituição relativas a 2017, o responsável adianta que  “entendemos que a Santa Casa não pode deixar de se associar a esta preocupação de disponibilizar habitação em condições de renda acessível à classe média e aos jovens. E, nesse sentido, a Santa Casa tem vindo a discutir há alguns meses a esta parte com a Câmara de Lisboa a possibilidade de se integrar neste projecto da renda acessível”.

De acordo com Edmundo Martinho, são cerca de 300 fracções dispersas pela cidade, pelo que “um conjunto de projectos que estão em curso da Santa Casa estão a ser já reformulados para poderem acomodar soluções de disponibilidade de apartamentos e habitacionais neste programa”.

Edmundo Martinho destacou ainda que estas fracções não põem em causa a gestão de outro património da Santa Casa que está arrendado ao preço de mercado, sendo uma fonte de financiamento para a instituição.

Este património “teve uma valorização significativa este ano que passou” e “é assim que se explica o aumento das receitas associadas à exploração do património imobiliário”, sublinhou.