Estes são os elementos que determinam o custo do seu crédito à habitação. Saiba quais são e como poupar na conta ao fim do mês.

No momento de se comprometer com uma solução de financiamento, tenha em conta os aspetos fundamentais que determinam os custos da operação: spread, TAEG, Euribor, taxas fixas e variáveis, transferências de crédito… um léxico à parte, mas que pode representar milhares de euros mensais.

Avaliação bancária e do mercado

Se estiver agora a ponderar pedir um empréstimo para comprar casa, terá de oferecer certas garantias. Será feita uma prova de viabilidade financeira, que analisa o seu património e situação profissional.

Nesse momento, a instituição financeira irá pedir uma avaliação do imóvel em causa, que pode ser diferente do preço de mercado. O empréstimo será relativo a essa avaliação.

Taxa fixa ou variável

Depois terá de decidir se lhe interessa pagar o empréstimo com uma taxa fixa ou variável. A diferença é bem expressa nos nomes das modalidades. A fixa estabelece um valor mensal que será descontado todos os meses. A variável dependerá da taxa Euribor (que poderá ser atualizável a 6 ou 12 meses) a somar ao spread. Avalie todas estas variáveis e faça contas para ver em que situação vai poupar mais.

Visite vários bancos e analise as suas propostas de crédito à habitação. No fim negoceie. Faça contas tendo também em atenção a sua taxa de esforço e veja se conseguirá cumprir todos os meses com essa despesa, mesmo se a taxa Euribor subir (no caso de optar pela taxa variável).

TAEG vs spread…

Além de estar atento ao valor do spread, olhe também para a TAEG. O que é? Trata-se da taxa que inclui todos os custos associados ao financiamento do banco, ou seja, encargos com juros, comissões e outras despesas.

Vale a pena transferir o crédito?

Se já tiver um crédito à habitação tente perceber se a transferência é uma solução viável para si. Analise o seu spread primeiro: a taxa de juro aplicada pelo banco é inferior a 2%? Se sim, transferi-lo não lhe trará grandes vantagens, visto que, durante a crise, os valores subiram até 4%. Se não, faça uma simulação. Atualmente, já vários sítios na web disponibilizam algoritmos para calcular se essa será uma situação viável para si, ou não.

Se ponderar transferir para poupar saiba que existem empresas que tratam da mudança do crédito à habitação sem quaisquer ou quase nenhuns custos. No final de contas vai acabar por poupar centenas ou até milhares de euros, por isso vale a pena apostar nestes serviços.

Os bancos começam a oferecer também oportunidades atrativas para os jovens que queiram pedir crédito para comprar um imóvel. A geração que agora começa a ponderar esta opção encontra um mercado em ebulição e valores de mercado pouco acessíveis.