Se essa opção está nos seus planos, ajudamo-lo com tudo o que precisa de saber antes de avançar. Com a informação certa e se seguir à risca o recomendado, o negócio tem tudo para correr de feição.

Se está atento ao mercado imobiliário de certo já se cruzou com alguns anúncios de venda de particulares. Por norma, os vendedores preferem atribuir o processo de venda a uma agência imobiliária que trata de tudo para viabilizar o negócio. No entanto, é possível fazê-lo sozinho e poupar o valor da comissão.

Primeiro avalie o seu próprio imóvel – tipologia, condições, certificado energético, zona onde está localizado. Depois, o mercado: procure anúncios de venda de imóveis semelhantes ao seu, analise os valores de venda e estabeleça um número, já a contar com possíveis propostas de negociação. Não se esqueça de considerar o estado de conservação e extras que possa ter.

Neste campo, o Imovirtual é uma mais valia para todos os vendedores particulares.  Pode anunciar o imóvel, através de pacotes atrativos, numa das plataformas online com maior visibilidade nacional. Não se esqueça de incluir uma fotogaleria, com fotografias de qualidade que o mostrem limpo e arrumado.

Uma descrição completa e detalhada é fundamental para captar a atenção de possíveis compradores, por isso preencha todos os campos com informações reais. Disponibilize contactos, tanto de e-mail como telefónico, e responda com a máxima prontidão. Uma boa comunicação vai facilitar as relações com os interessados e criar empatia.

Se eventualmente fechar negócio, é essencial que tenha consigo a documentação para o oficializar.

  • Certidão permanente predial – este documento tem o histórico do imóvel e deve ser pedido na Conservatória do Registo Predial;
  • Caderneta predial urbana – a localização, características, atual proprietário e valor patrimonial tributário. Está tudo neste documento que é obrigatório no processo de transação;
  • Licença de utilização – serve este documento para garantir que o imóvel foi inspecionado, está em condições de ser vendido e conforme a planta e projetos entretanto aprovados;
  • Ficha técnica – esta ficha tem a descrição das caraterísticas técnicas do prédio urbano que se destine à habitação permanente;
  • Certificado energético – determina a eficiência energética do imóvel, sendo A+ o mais eficiente e F o menos eficiente. Esta avaliação espelha-se nas contas de eletricidade, por exemplo.

Ao vender a sua casa sem a mediação de uma agência imobiliária poupa nas comissões que lhe iriam cobrar. Em contrapartida, terá de se preocupar com burocracias e organização de visitas ao imóvel.

Quer saber mais sobre a melhor forma de anunciar online? Dizemos-lhe tudo no nosso blog.