A cláusula dos custos de manutenção tem lugar cativo nos contratos de arrendamento. No entanto, podem surgir dúvidas quanto aos responsáveis por determinadas despesas. Além de que os custos variam de cidade para cidade, consoante seja necessário envolver equipas especializadas para reparações.

Arrendar uma casa é um rendimento certo ao final do mês. Contudo, implica sempre despesas, especialmente da parte do senhorio. Além de que algumas são mesmo obrigações financeiras associadas ao proprietário.

  1. Obras de conservação

O primeiro exemplo são as obras de conservação. Por norma, são da responsabilidade do senhorio, exceto se contratualizado de forma diferente. Muitas vezes, é acordado que o inquilino suporta essas obras, para ter maior liberdade na escolha de orçamentos, prazos e prestadores. Os valores são depois descontados na renda mensal. Excluindo os casos de obras extraordinárias fruto da negligência do inquilino.

Entre Porto e Lisboa, por exemplo, os valores diferem (e destas para outras capitais de distrito). Isto porque normalmente os orçamentos são feitos seguindo o valor do metro quadrado, que é mais caro na capital. Ainda assim há uma dica que pode seguir para poupar: escolha um empreiteiro ou empresa que trabalhe perto da sua casa. É que, normalmente, as deslocações também contribuem para o valor final da conta.

  1. Despesas de condomínio

Ao senhorio cabe ainda a responsabilidade de pagar o condomínio e todas as despesas relacionadas com administração, conservação e manutenção dos espaços comuns do prédio, já que é o proprietário do imóvel.

  1. IMI

Também o pagamento anual do IMI – Imposto Municipal sobre Imóveis – é da responsabilidade do proprietário, já que o imóvel está em seu nome. Se vai começar agora a arrendar o imóvel, saiba que já é obrigatório apresentar o certificado energético do imóvel. Este documento contém a avaliação energética, ou seja, informações sobre o seu consumo energético.

  1. IRS

A boa notícia é que o senhorio pode declarar algumas dessas despesas no IRS – são as chamadas despesas dedutíveis – que permitem que todos os gastos com obras de reparação, conservação e manutenção sejam dedutíveis. A pintura de interiores e exteriores, despesas relacionadas com energia, IMI e muitos outros custos são dedutíveis total ou parcialmente.

  1. Imposto sobre rendas

Sobre a renda paga pelo inquilino, 28% é destinada ao Estado, através do imposto sobre rendas. Apesar de muitos senhorios se recusarem a assinar contrato, este passo é obrigatório e deve ser sempre contratualizado para proteger os direitos de ambas as partes. Por isso, quando começar a arrendar conte com esta taxa.

Porque deve investir no mercado imobiliário? A resposta a esta e outras dúvidas que possa ter estão no nosso separador do blogue dedicado unicamente a temas relacionados com finanças.